Quinta-feira, 9 de Abril de 2015

Resenha do filme "A Teoria de Tudo"

Sinopse: Baseado na biografia de Stephen Hawking, o filme mostra como o jovem astrofísico (Eddie Redmayne) fez descobertas importantes sobre o tempo, além de retratar o seu romance com a aluna de Cambridge Jane Wide (Felicity Jones) e a descoberta de uma doença motora degenerativa quando tinha apenas 21 anos.

Esse filme me chamou atenção desde que soube da situação que envolvia a trama. Depois que o ator Eddie Redmayne ganhou o Oscar, passou a ser uma necessidade. E valeu muito a pena. Sei que não devemos já começar a resenha "entregando o ouro", mas esse filme não tem como. É muito bom. Com uma história real bastante emocionante e que faz a gente criar coragem para o mundo, não os desgrudamos um minuto da tela para ver o que o futuro reserva para o brilhante, mas até então limitado protagonista.

Stephen é um garoto inteligentíssimo e com muito do seu brilhantismo para agregar ao mundo, mas uma doença degenerativa pode vir para atrapalhar seus planos, inclusive amorosos, já que se apaixonou por Jane perdidamente. O que não contava é com a força da amada em querer enfrentar o mundo com ele e por ele, até mesmo querendo ter um casamento de 2 anos, já que é a estimativa de vida de Stephen. E vivem esse amor, construindo uma família e uma linda história. Diria até uma verdadeira história de amor, bem humana mesmo, bem do tipo que só pode ter sido vivida por duas pessoas reais.

O astrofísico, no entanto, vive muito mais do que esses 2 anos e mesmo com muitas limitações, abrilhanta o mundo das descobertas com muita genialidade, carisma e profissionalismo. E é algo incrível e encorajador ver que ele só piora fisicamente, mas seu coração é tão cheio de esperança, que não deixa por um minuto de usar a sua mente e a sua inteligência a favor de coisas boas para ele e para o mundo.

Como nem tudo é "mar de rosas", o casamento passa por muitas transformações também e teve horas que tive vontade de esganar a Jane. Mas, ao decorrer do filme e principalmente no final é possível perceber que tudo que aconteceu foi de forma natural, tão natural que o próprio Stephen, com seu coração puro, entende e aceita.

Sai do cinema emocionadíssima e querendo ser só uma pessoa um pouquinho melhor. Eu não tenho nenhuma doença, nenhuma limitação, nada que me impeça de me doar mais para um mundo melhor, E é exatamente essa a maior lição do filme: a gente sempre pode tudo se realmente quisermos realizar. Filme muito mais que recomendado, é uma exigência para aqueles que amam verdades.

publicado por criando às 00:57
link do post | comentar | favorito
|

Eu sou assim...

pesquisar

 

Junho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

Resenha "Cidades de Papel...

Resenha "Para Sempre uma ...

Resenha "O Cortiço" - Alu...

Resenha do filme "Meu Pri...

13º Evento da "Menina que...

Resenha do filme "Lado a ...

Resenha "Amor e Ordem: o ...

Clube do Livro Saraiva RJ

Entrevista com Taísa Luci...

Resenha "Profundamente Su...

arquivos

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Setembro 2014

Abril 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Dezembro 2009

Julho 2009

Dezembro 2008

links

blogs SAPO

subscrever feeds