Quarta-feira, 29 de Abril de 2015

Resenha "Amor e Ordem: o despertar" - Daniele Fleur

Sinopse: John Peter é um alemão que vive em São Paulo. Com os ensinamentos deturpados de seu avô Hans, que foi General da SS de Hitler, John se tornou líder de um grupo de skinheads neonazistas, tornando-se agressivo e cego pelas suas próprias doutrinas. Ao qual sai com seu grupo, espalhando violência pela cidade, pregando ódio e machucando a todos que atravessam o seu caminho; entretanto, tudo isso muda quando ele conhece Celenna, uma garota negra, e se apaixona por ela perdidamente. John tenta negar este amor a si mesmo a todo tempo, mas também começa a questionar coisas, vindo a pensar de um jeito diferente. Entretanto seus amigos começam a notar mudanças em seu comportamento e Celenna tem que enfrentar as dificuldades e adversidades que imperam entre a razão e o coração, vindo a sentir a discriminação por sua cor de pele. Entre esse amor há muitas barreiras. Mas o amor será capaz de uni-los, levando-os a lutar contra o preconceito, incluindo os deles próprios? Se tem uma disciplina na escola que sempre valeu muito a pena estudar é História. Sempre gostei de saber o que aconteceu, como aconteceu, quais eram costumes, sentimentos, ideias e como o mundo se formou através dessas vivências das pessoas. Tenho certeza, inclusive, que foi esse meu prazer por estudar essa matéria escolar que contribuiu tanto para que eu amasse livros. Por isso, sempre gostei de livros que envolvessem alguma temática que colocasse momentos marcantes da História do Mundo e esse coloca não só um momento marcante, mas um dos principais, a meu ver. Eu falei que adoro Nazismo e duas amigas riram dizendo que a frase ficou estranha. E ficou mesmo. Não sou uma pessoa que é contra Judeus, Negros, Homossexuais ou qualquer outra "minoria" e muito menos sigo qualquer "princípio" nazista, pelo ao contrário. Adoro a matéria Nazismo porque mostra como o Ser Humano pode ser influenciado, enganado (ou melhor se deixar enganar), egoísta, perturbador e ganancioso. Pior, como as pessoas no mundo são ligadas ao valor do Poder desde sempre. Só que um dia a "ficha cai" e muitas dessas pessoas passam a perceber o mal que as cercam, sejam por conta delas mesmas ou através de pessoas que conseguem enxergá-lo. E, em resumo, de alguma maneira, foi isso que aconteceu com o Nazismo. Na prática menos romantizado, é claro, afinal, ainda temos os neonazistas tomando conta do mundo atual. E é exatamente aí que a nossa história começa. John Peter é um desses neonazistas. Um skinheads sem coração, que dá fim a suas vítimas sem dó nem piedade. O que ele não contava é que Celenna, uma negra, entraria no seu caminho e tudo aquilo que ele acreditava lá no mais fundo da sua alma e consciência se desfaz ao se sentir completamente atraído de uma forma inexplicável pela aquela garota que ele deveria odiar. Num ato que nem mesmo ele achou ser capaz de cometer, ela o percebe e se apaixona. Daí por diante o livro é uma verdadeira delícia, pois os dois entram em conflitos internos, se enlouquecendo e deixando todos ao seu redor de cabelo em pé. John não quer deixar de lado tudo que sempre aprendeu e pregou na vida, mas como simplesmente esquecer Celenna? Ela, por sua vez, não quer gostar dele, mas como ir contra tudo que sente e deixar de lutar? Não dá! Eles não conseguem e nós não queremos que eles consigam. Tem horas que até queremos odiar John Peter e "dá na cara" da Celenna por acreditar nesse sentimento por ele, mas passa logo, pois a gente quer mesmo é que eles ultrapassem a barreira do preconceito e da falta de educação. É um livro de luta interna, luta com o mundo, segredos, arrependimentos, romance, amizade e muitas informações. A primeira é como ainda lidamos com a intolerância através de grupos que propagam a raiva e o desamor. A segunda é como há grupos skinheads que fazem atrocidades e o poder público não combate, trazendo medo para muitas pessoas. Já a terceira informação ocorre em como o racismo, apesar de tudo, ainda é tratado como se fosse algo normal. No nosso país isso é crime e mesmo assim há que trate como algo normal. Por último, que apesar dos tempos, ainda lidamos com a força do poder, a força errada, claro. Só por poder falar disso tudo, já é uma leitura que deve ser feita. Ponto positivo: saber um pouco mais da cultura alemã através dos costumes e a língua. O que torna o livro muito mais próximo do seu propósito. E o uso rico dos personagens secundários para o desenrolar da trama. Ponto Negativo: ficar algumas informações pendentes, sem sabermos o que aconteceu realmente. Mas já soube que é uma trilogia e por isso ainda não sabemos de certas informações ainda. Só coloquei como ponto negativo porque já estou muito curiosa para a continuação da história. A autora foi má comigo em me deixar assim tão eufórica com o livro e eu não ter um final! Que venham os outros dois livros, mais emoção, mais John Peter e Celenna, mais de superação e mais do sentimento que deveria mover o mundo: o amor.

publicado por criando às 23:52
link do post | comentar | favorito
|

Eu sou assim...

pesquisar

 

Junho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

Resenha "Cidades de Papel...

Resenha "Para Sempre uma ...

Resenha "O Cortiço" - Alu...

Resenha do filme "Meu Pri...

13º Evento da "Menina que...

Resenha do filme "Lado a ...

Resenha "Amor e Ordem: o ...

Clube do Livro Saraiva RJ

Entrevista com Taísa Luci...

Resenha "Profundamente Su...

arquivos

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Setembro 2014

Abril 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Dezembro 2009

Julho 2009

Dezembro 2008

links

blogs SAPO

subscrever feeds