Terça-feira, 8 de Dezembro de 2009

Mengão Hexacampeão Brasileiro!

Ao som dessa torcida sem igual

 

 

A previsão do tempo para o dia 6 de dezembro de 2009 no Rio de Janeiro era de céu encoberto com pancadas de chuva, mas o dia amanheceu com céu claro e muito calor. Diz a sabedoria popular que essas previsões sempre costumam falhar. A mesma sabedoria que diz que matemática e futebol são duas coisas que não combinam. Imaginem vocês que faltando cerca de dez rodadas pra terminar o Campeonato Brasileiro os frios números indicavam que dois times do Rio tinham em torno de 1% de chance de conquistar seus objetivos. O Flamengo de chegar ao título, o Fluminense de escapar do rebaixamento. Perguntem a qualquer torcedor apaixonado se ele deu ouvidos a isso.

 

O Rio acordou vestido de vermelho e preto. Não me lembro da última vez que vi algo assim. Ainda não era 2 da tarde, três horas antes do horário marcado para a última partida do ano, e o Maracanã já estava praticamente lotado. Onde quer que se passasse, as camisas rubro-negras pareciam traje obrigatório.

 

Eu não dormi. Não dormia direito há dias, mas essa noite em especial. Os minutos não passavam e a proximidade da batalha final me deixou num estado quase que incontrolável de nervosismo. Quando parti rumo ao Coliseu do futebol meu coração palpitava no peito com a certeza de que estava vivenciando um momento histórico. Me aproximar do maior estádio do mundo e ver a multidão que o rodeava foi de arrepiar a alma.

 

Lá dentro a festa era a esperada. É senso comum que times de futebol têm torcidas, mas que o Flamengo é uma torcida que tem um time. A energia que emana das arquibancadas lotadas por essa Nação é algo que nem o mais avançado médium saberia explicar. É mitológico. O que eu posso atestar de concreto é que o estádio tremia a cada explosão conjunta dessa força da natureza.

 

Na hora marcada os gladiadores vieram a campo. Homens predestinados a honrar um manto sagrado capaz de assustar as mais temidas criaturas, de transformar o mais frágil dos seres humanos num atroz caçador de bestas assassinas. A catarse começou.

 

Muita gente acreditava que a missão não seria das mais difíceis. Derrotar um desmotivado adversário que ainda poderia, com um empate ou vitória, ajudar seu mais odiado rival. Mas nenhum dos rubro-negros do mundo se deixou enganar. Quem é Flamengo sabe desde o berço: nada, nunca, é fácil quando se trata das nossas maiores conquistas.

 

E não poderia ser diferente. Enquanto o jogo ainda tomava forma, enquanto cada personagem daquela disputa ainda encontrava sua função na trama, num despretensioso escanteio, surge um pé dentro da pequena área que empurra a bola pra dentro do nosso gol. 1x0 pros vilões.

 

O silêncio era sepulcral. O maior estádio do mundo lotado pela maior torcida do mundo estava calado. Seria possível escutar o suspiro de alguém lá do lado de fora. Enquanto isso o placar eletrônico começava a indicar o temido: em outros cantos do país os adversários faziam sua parte e o título começava a escapar.

 

A equipe nervosa, como não poderia deixar de estar, partiu pra cima como conseguia e a torcida clamava por raça. E foi assim, na vontade, numa disputa de corpo, que a bola sobrou pra David, um jovem zagueiro perdido na área adversária, soltar um petardo em direção ao gol e empatar a partida. 1x1 e esperança renovada. Faltava um. Um golzinho pra consagração final.

 

A torcida urrava, roia as unhas, tremia, chorava... O segundo tempo começou e nada do jogo desencantar, o adversário, como sempre acontece com quem chega ao Maracanã contra o Flamengo, queria complicar. O tempo urgia, o desespero aumentava, a aflição parecia que não teria fim, até que, de repente, numa bola alçada a área pelo maestro Petkovic, surge mais alto que Deus o mais fiel retrato do brasileiro que deu certo: Ronaldo Angelim, nosso zagueiro esquerdo, um homem que a humildade e perseverança servem de inspiração de operários a poetas, testou a bola de forma fatal e entrou pra História.

 

A explosão de alegria que tomou conta da multidão daí em diante é algo que nenhuma palavra que eu possa usar para descrever jamais será fiel ao fato. A angústia perdurou até o apito final que consagrou aqueles bravos jogadores e seu bravíssimo comandante Andrade, um homem digno e trabalhador, competente e consciente, verdadeiro e pé-no-chão, rubro-negro de coração, como campeões brasileiros.

 

Foi o sexto título nacional conquistado pelo Gigante rubro-negro, que parecia adormecido e de repente resolveu acordar pra se alimentar de alguns leões. Não poderia ter sido melhor, não poderia ter sido diferente, não poderia ter sido de mais ninguém. A profecia diz que, crenças à parte, o Flamengo existe para conquistar e dominar. E assim foi feito.

 

2009 é um ano que ficará para sempre na minha memória. A felicidade que senti ontem é algo que não tem explicação, não tem dimensão, e, graças a Deus, não tem cura. É a felicidade suprema de ser Flamengo. De fazer parte desse acontecimento que une seres das mais diferentes origens, classes sociais, crenças, ideologias, todos num só desejo maior: o de gritar “gol!”. Hoje o mundo está mais équiça do que nunca.

 

Autor: Pedro Neschling

http://bloglog.globo.com/pedroneschling/

 

Coloquei esse texto aqui porque ADORO os textos do Pedro e neste ele traduz tudo o que gostaria de dizer sobre o jogo de domingo, mas me faltaram palavras.

Flamengo Hexacampeão Brasileiro.

O melhor presente de aniversário que ganhei na vida!

Muito orgulho de ser RUBRO-NEGRA!!!!

Naty Afonso.

 

sinto-me:
música: É O PET
publicado por criando às 13:35
link do post | comentar | favorito
Domingo, 6 de Dezembro de 2009

Trecho do Pequeno Príncipe

Andando, o principezinho encontrou um jardim cheio de rosas. Contemplou-as...eram todas iguais à sua flor.
E deitado na relva, ele chorou...
E foi então que apareceu a raposa.
- Vem brincar comigo, propôs o principezinho. Estou tão triste...
- Eu não posso brincar contigo, disse a raposa. Não me cativaram ainda.
- Que quer dizer "cativar" ?
- É uma coisa muito esquecida. Significa criar laços...Tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. Eu não tenho necessidade de ti e tu não tens necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas se tu me cativas, teremos necessidade um do outro. Serás para mim, único no mundo. E eu serei para ti, única no mundo. Minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros. O teu passo me chamará para fora da toca, como se fosse música. A gente só conhece bem as coisas que cativou.
- Que é preciso fazer? perguntou o principezinho.
- É preciso ser paciente. Tu te sentarás primeiro um pouco longe de mim. Eu te olharei com o canto do olho e tu não dirás nada. A linguagem é uma fonte de mal- entendidos. Cada dia te sentarás mais perto...Se tu vens por exemplo, às quatro da tarde, desde às três, eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz. Às quatro horas, então, estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade!
Assim o principezinho cativou a raposa. Mas, quando chegou a hora da partida, a raposa disse:
- Ah! Eu vou chorar...a gente corre o risco de chorar um pouco, quando se deixou cativar. E acrescentou:
- Vai rever as rosas. Tu compreenderás que a tua, é a única no mundo. É simples, o segredo: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos. Foi o tempo que perdeste com tua rosa, que fez tua rosa tão importante. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela rosa ...
- O essencial é invisível para os olhos, repetiu o principezinho, a fim de se lembrar...
Os homens do teu planeta, disse o principezinho, cultivam cinco mil rosas num mesmo jardim...e nunca encontram o que procuram...E no entanto, o que eles buscam poderia ser achado numa só rosa , ou num pouquinho d'água...Mas os olhos são cegos. É preciso buscar com o coração..."

(Antoine De Saint- Exupéry)

 

1383225_650577108319862_1258645084_n.jpg

 

 

publicado por criando às 11:30
link do post | comentar | favorito

Eu sou assim...

pesquisar

 

Junho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

Resenha "Cidades de Papel...

Resenha "Para Sempre uma ...

Resenha "O Cortiço" - Alu...

Resenha do filme "Meu Pri...

13º Evento da "Menina que...

Resenha do filme "Lado a ...

Resenha "Amor e Ordem: o ...

Clube do Livro Saraiva RJ

Entrevista com Taísa Luci...

Resenha "Profundamente Su...

arquivos

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Setembro 2014

Abril 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Dezembro 2009

Julho 2009

Dezembro 2008

links

blogs SAPO

subscrever feeds